Jogos de luta foram pensados, em sua essência, para jogabilidade multiplayer, o que favorece interações sociais. Sempre foi possível jogar contra a CPU, no entanto as surpresas (o “surpreender” e o “ser surpreendido”), a capacidade de ler o adversário, o pedir e dar conselhos e comemoração de uma partida bem jogada; desaparecem quando tomamos essa decisão. Não é a toa que os jogos de luta eram grande sucesso nos arcades.

O tempo passou e os arcades diminuíram. Jogos de luta saíram dos gabinetes e entraram nos consoles caseiros. A socialização, proveniente dos games, ainda estava presente, mas para acessá-la já não era tão simples quanto ir ao local que a jogatina acontecia e colocar a ficha na máquina. Agora, era necessário trazer pessoas para jogar com você ou, se tivesse sorte, ir a algum raro evento em sua cidade. Por causa disso a popularidade desses jogos começou a cair.

Com a chegada da sétima geração de consoles, e com o avanço da internet, começou a ser mais fácil jogar, os games de luta, contra outras pessoas. A jogatina online permitiu que a socialização, que esses games traziam na época, retornasse ao seu lugar de direito. Como consequência, a popularidade desses jogos voltou a crescer. A internet não facilitou apenas que pessoas pudessem jogar, com seus velhos amigos, a distância, mas também que novas amizades surgissem.

É nesse momento, que os torneios online começaram ter evidência. Querendo saber mais sobre eles, a WarpZone entrevistou o pessoal do Kombat Klub e o streamer ZateFGC para entendermos mais sobre os seus torneios online, bem como seus impactos para a Comunidade Brasileira de Jogos de Luta (FGC BR).

O Kombat Klub surgiu da vontade de vários jogadores de profissionalizar seu amor pelos jogos de luta e competirem seriamente. Já Zate, apaixonado por Anime Fighters (jogos de luta em estilo anime), criou seus torneios para ajudar a comunidade dos jogos que tanto gosta.

A comunidade brasileira de jogos de luta sempre foi muito pequena. Uma das causas dessa pequenez, de acordo com Zate, é a dificuldade econômica de se entrar na comunidade. Os jogos mais populares são também os mais caros, e não existe um grande jogo de luta free 2 play como ocorre com os MOBAS ou FPSs. Além disso, a internet brasileira nem sempre é ideal para competir online e é difícil locomover-se para outras cidades para participar de torneios off-line.

Outro problema é que os jogos desse gênero,por serem competitivos, são muito focados na habilidade dos jogadores. Isso torna os primeiros momentos de um jogador iniciante um pouco complexos, principalmente quando o/a novato se depara com uma comunidade online já experiente.

Ainda não existe muito conteúdo, em português, que ensine as mecânicas do jogo para os iniciantes. Entretanto isso está sendo mudado rapidamente e vários tutoriais já estão disponíveis no youtube.

Para resolver o problema da baixa popularidade desses jogos, Zate procura diversificar os jogos de suas stream, mostrando o quão diverso eles podem ser e assim atrair novos jogadores e espectadores.

Falando em espectadores, o Kombat Klub ressaltou a importância que a qualidade da transmissão e organização dos torneios tem para atrair novas pessoas e fortalecer a imagem dos jogos de luta como um e-sport.

A FGC Brasileira é muito unida e toda a comunidade entende que se eles ajudarem um ao outro todos irão crescer. Por causa disso, não importa em qual canal/site você entre, sempre há divulgações de eventos da comunidade.

Organizar os torneios não é um trabalho simples. É necessário explicar aos competidores todo o processo de inscrição e preenchimento de formulários, além de instruí-los como proceder, uma vez que o torneio começa.

O Kombat Klub conta com uma equipe de narradores e de organizadores que ajudam os torneios profissionais fluir. Zate, que faz competições de jogos menos conhecidos, tem muito apoio da comunidade para a divulgação e da narração de seus torneios

O Kombat Klub possui torneios diferentes para ligas diferentes. Possui desde a Liga Discord, em que qualquer um pode participar, até às ligas profissionais. Essas ligas, costumam ter a presença dos astros da FGC brasileira, como DidiMokof, Keoma, KillerXinok e o ex-jogador Brolynho.

Qualquer pessoa, que possua o jogo, pode participar de algum torneio online. Isso cria um ambiente em que iniciantes podem aprender com os veteranos. Neste contexto, é nítido o quanto os jogadores novatos melhoram suas habilidades o longo do tempo.

Os esforços dos nossos entrevistados não irão parar. Zate diz que trabalhará bastante para aumentar a divulgação de suas streams, para que mais jogos de luta sejam conhecidos. O KombatKlub planeja expandir a sua marca para outros jogos, mas sempre com um foco maior na FGC.

Gostaria de conhecer mais sobre a comunidade brasileira de jogos de luta, mas não sabe por onde começar? Nós separamos alguns links que podem te ajudar.

Kombat Klub: Dedicando-se mais a Street Fighter e ao Mortal Kombat, Kobat Klub é a comunidade ideal caso você queira ver o lado mais E-sports da FGC

ZateFGC: Zate cuida mais de Anime Fighters e sua stream é ideal caso você queira conhecer esses jogos ou começar a competir.

Treta: Responsável pelo maior torneio de jogos de luta do Brasil, Treta costuma transmitir alguns torneios de diversos games em seu canal do twitch.

Skulgirls BR: Trazendo o grande jogo indie para as streams Brasileiras, Skullgirls BR faz campeonatos semanais de Skulgirl.

FGCWatcher: FGC Watcher é uma página de FaceBook para os amantes de jogos de luta, sempre postando as notícias mais recentes da FGC

Counter Hit: Cuidando de notícias, Guias e calendários de torneios, o site Counter Hit é excelente para os jogadores e espectadores de jogos de luta.

PUBLICIDADE