Responsáveis pelo Datassette.org, principal site de preservação de material impresso sobre microcomputadores e videogames no Brasil, Leonardo Roman, Junior Capela e Clóvis Friolani serão os entrevistados de hoje.

Nós falamos sobre um trabalho que depende muito do esforço de cada um e do apoio da comunidade, a iniciativa de digitalizar e manter um catálogo virtual de livros, revistas e manuais sobre computadores e videogames. Conheçam mais sobre o projeto e curiosidades sobre essa iniciativa.

IMPORTANTE: As opiniões das respostas abaixo são de responsabilidade unicamente do(s) entrevistado(s).
Da esquerda para a direita: Clóvis Friolani, Junior Capela e Leonardo Roman

1 – Quando e como o projeto começou?

Leo: Comecei o projeto na metade de 2003, para reunir o material que eu baixava sobre o meu hobby de colecionar computadores e videogames clássicos. O pessoal das listas de discussão que eu participava colocava esse material na internet (geralmente em sites de hospedagem grátis) e eu reunia em meu computador. Certa hora, notei que havia juntado bastante material e que era hora de devolver tudo para a comunidade, centralizando em um único lugar. Então criei o site datacassete.com.br, que após algumas evoluções se tornou o atual datassette.org.

Capela: Descobri o Datassette quando ainda era Datacassete, enquanto procurava publicações para MSX, e vi que o site não possuía quase nada. Como eu já tinha muita coisa, então me coloquei à disposição do Leonardo, para disponibilizar tudo o que eu tinha aqui. Desde então, acho que já mandei uns 40 GB de scans para o site, não me limitando a apenas coisas de MSX, mas de todas as plataformas.

Clóvis: Eu já tinha uma bela biblioteca a respeito da linha Sinclair quando comecei com minha retro coleção. Mas eram livros de 30 anos atrás e com plataformas obsoletas. Na época, conheci o site WOS (World Of Spectrum) e vi que lá existia muito material em pdf, mas quase nada em português, sendo que a maioria de meus livros eram de Portugal. Assim comecei a digitalizá-los em PDF e mandar para o dono do WOS. Pouco depois, conheci o Datacassete e passei a enviar o material para o Léo, que então o publicava.

2 – Quem faz parte do time e qual a função de cada pessoa?

Leo: Hoje o site é administrado por mim com a ajuda inestimável dos grandes amigos Clóvis e Capela. Mantemos um grupo de WhatsApp entre nós para tomar algumas decisões em conjunto e facilitar a administração geral do site. No dia-a-dia fazemos todos as mesmas coisas, que é enviar material inédito e divulgar alguma coisa que achamos relevante nos posts do site.

Capela: Estou na equipe desde 2010 e faço a digitalização e tratamento das imagens para enviar ao site. Também sou responsável pelo lançamento semestral do Torrent com todo o conteúdo do Datassette.

Clóvis: Não lembro quando o “Chefe” Léo me convidou. Eu já mandava muito material para o site, então para mim foi questão de tempo para ele me conceder os acessos para liberação das correções e publicações.

 

3 – Qual é o material mais raro disponível no acervo?

Leo: Entre tantos itens bem difíceis de se ver, um item raríssimo e bem recente é o manual do microcomputador Varix VC-50. O amigo Luciano Scharf conseguiu esse manual e algumas outras peças com um dos criadores dele. E ainda fez uma grande entrevista com o criador para a edição 21 da revista Jogos 80. É um microcomputador que ninguém vê a mais de 30 anos e tive o prazer de digitalizar esse manual.

Capela: Essa é difícil…. no acervo todo não sei dizer… o que eu tive dificuldades pra encontrar foram alguns manuais do Pense Bem, que apesar de ter sido relançado, a grande maioria dos livros são da época e muitos se perderam pelas areias do tempo.

Clóvis: Bem, mais raro não sei dizer, porém os mais complicados para fazer esse trabalho pra mim foram dois: The Complete Spectrum e The Century Computer Programming Course, com 490 e 526 páginas respectivamente. Praticamente são livros que não existem pelo Brasil, e também não haviam PDF deles no planeta… agora têm! E está no nosso site!

Microcomputador Varix VC50, manual de operação

4 – Qual é a maior dificuldade de se conseguir material?

Leo: Está difícil, principalmente, encontrar revistas de informática e videogames com mais de 25 anos em geral. Ou quando se encontra algo que ainda não está no acervo, os preços não são atraentes. A mesma coisa também se pode dizer sobre muitos livros técnicos que não temos. Por isso é bem importante a participação da comunidade de colecionadores para nos enviar material inédito.

Capela: O que dificulta realmente é o preço, quando achamos algo, as pessoas acham que aquilo é feito de ouro, já chegaram a me oferecer revistas a mais de 100 reais a unidade, aí não dá… Felizmente tem muita gente que também quer ajudar, e sempre tem aqueles que doam o material pra gente.

Clóvis: Hoje está muuuito difícil de achar material, eu sempre caço em sebos livros dessa época áurea da informática, quase sempre sem sucesso. Semana passada fui em Jundiaí e passei em 2 sebos, num deles encontrei a Coleção Informática da Abril, comprei para um amigo meu e foi só.

5 – Como a comunidade pode colaborar com vocês?

Leo: É bem fácil. Qualquer um que tenha cadastro no site pode enviar material. Após o envio, ele fica aguardando a aprovação e depois publicamos. Quem não tiver condições de enviar material por conta própria pode entrar em contato com a gente para combinarmos empréstimos. E como é tudo mantido de maneira voluntária, também pedimos ajuda em forma de doações financeiras. Na página principal há um menu de doações onde todos podem colaborar dessa forma.

Capela: Quando entrei pro time, era mais fechado, e os usuários em geral não conseguiam mandar diretamente. Depois da ultima atualização que o Leonardo fez, qualquer um pode se cadastrar no site e enviar o material, e caso não saiba como fazer, escanear e etc, pode pedir ajuda pra gente. Pensando nisso, também montei um tutorial que dá as dicas para o tratamento de imagem, que, junto do manual do pessoal da Retroavengers, deixa tudo mais fácil pra quem quiser se aventurar nas ondas dos Scanners.

Clóvis: Bem, uma coisa que todo mundo tem certeza é que esse material que temos no site é eterno, o papel não. Por mais que você cuide de suas revistas e livros, pode ser que caia algum líquido, tenha mofo, traça… Se você, colega que está lendo essa reportagem, tem algum livro que não tem no Datassette, empreste pra nós, ou você mesmo escaneia e manda as imagens que a gente faz o resto.

6 – Quais os planos futuros para o projeto?

Leo: A única certeza é continuar aumentando nosso acervo cada vez mais. Hoje o Datassette já é um site de referência para a comunidade em língua portuguesa e ainda podemos ampliar bastante nosso alcance.

Capela: Acho que não são planos, mas sim vamos continuar “caçando” tudo pra continuar aumentando o acervo do site e manter o máximo possível de material disponível para quem possa precisar.

Clóvis: Da minha parte é continuar como Indiana Jones, caçando relíquias, ops, livros e revistas para nosso acervo, não só “nosso” de nós 3, nosso de toda NOSSA comunidade.

PERFIL DOS ENTREVISTADOS

Leonardo Roman da Rosa

Leonardo Roman da Rosa (Leo) é formado em Sistemas de Informação pela UFSC, solteiro, empresário e analista de sistemas em uma empresa de call center. Além do Datassette, ele mantém uma pequena coleção de micros e videogames clássicos.

Junior Capela

José Carlos (Junior Capela) é técnico em Redes e Comunicação de Dados e jornalista esportivo nas horas vagas, tem três filhos, que também curtem essa nostalgia do pai.

Clóvis Friolani

Clóvis Friolani é Eletricista Mecatrônico, trabalha em uma montadora de caminhões, casado, tem uma filha, é colecionador de micros, moedas, cédulas, selos… e também é baixista de uma banda dos anos 80 chamada Scandinávia (Rock e TK na veia!).

PUBLICIDADE