Ele é ferro e fogo,
Mega Man!
Ele é puro aço,
Mega Man!
Vai vencer… o mal.

O novo jogo do robozinho azul busca revitalizar a série que divertia as crianças nos anos 80 e 90. Infelizmente, com o passar dos anos, a Capcom foi deixando de lado o seu maior astro do mundo dos jogos apresentando novas franquias com novas jogabilidades.

Mas agora, em 2018, será lançada a décima primeira edição do jogo que promete trazer para nossos dias a mesma diversão de antigamente. Nós testamos a versão de demonstração lançada recentemente e contaremos a seguir as primeiras impressões da nova saga de Mega Man.

Finalmente a demo foi liberada para o público

A tela inicial apresenta um menu com dois botões com as opções de iniciar o jogo clicando em New Game ou acessar o menu de opções, onde é possível modificar a configuração dos botões a sua maneira, brilho da tela, volume das músicas, efeitos sonoros e idiomas de texto e dublagem, vibração do controle e acesso ao menu de armas usando o direcional direito do controle (no melhor estilo GTA V de acessar as armas).

Embora seja possível trocar os botões como bem entender, as posições padrões não utilizam todos os botões do controle. Tivemos que escolher manualmente a ação de slide (sem botão selecionado) para o botão da direita no controle que seria: B no Xbox One, A no Switch e Círculo no controle do PlayStation 4. Infelizmente, não existe como selecionar o idioma de texto e voz em português. Para o teste, escolhemos o texto em inglês e dublagem em japonês.

Após selecionar New Game, é necessário escolher o nível de dificuldade entre as quatro disponíveis, New Comer, Casual, Normal ou Super Hero (para aqueles que curtem uma boa dificuldade das antigas). Após a seleção da dificuldade, é perguntado ao jogador se ele deseja acessar a tela de testes com um tutorial sobre os novos poderes do robozinho azul, que, por sua vez, é rápido e cumpre muito bem sua função.

Fase disponível na demo, com gráficos incríveis

NOVAS FUNCIONALIDADES

No canto esquerdo da tela, abaixo das barras de energia e de munição de tiro, foi adicionada a barra de uso dos novos poderes, podendo ser ativados um de cada vez ou os dois ao mesmo tempo (aqui, somente quando o personagem estiver com baixa energia). Os dois poderes utilizam a mesma barra de limite de tempo, que vai enchendo gradativamente.

O não uso das habilidades faz o medidor retornar ao seu estado inicial, enquanto o estouro do limite desabilita o uso temporariamente, e pequenos raios aparecem no personagem para mostrar o mau funcionamento. Se a barra alcançar o limite na utilização dos dois poderes ao mesmo tempo, a ação de charge do tiro é desabilitada até a barra voltar ao normal.

A primeira nova habilidade adiciona um novo nível de carregamento do tiro durante o seu tempo de uso (semelhante ao Mega Man X) ou um novo poder das armas secundárias. Já a segunda nova habilidade adiciona um bullet time tornando mais fácil de controlar nosso robo azul preferido.

O clássico menu de armas e itens com um novo layout

Na demo vem disponível apenas o cenário do Block Man com as armas secundárias S.Thunder, que faz o personagem atirar um raio para baixo que percorre as paredes, e P.Driver, que permite um ataque corpo a corpo na forma de “dash” no ar. A habilidade de incremento do poder do tiro no S.Thunder aumenta o tamanho do raio, enquanto no P.Driver, é incrementada a distância percorrida no “dash”.

Durante o decorrer da fase, ocorrem duas lutas contra o mesmo mini-noss em diferentes partes do cenário. Após cada luta, é alcançado um checkpoint da fase. O último chefão da fase conta com uma transformação com pontos estratégicos, que serão os alvos dos tiros da arma normal.

Depois de vencê-lo, o corpo do Mega Man brilha e este recebe o poder do inimigo derrotado (diferente dos itens nos jogos anteriores). Nessa nova versão, é possível testar a nova arma recebida na mesma sala de testes do tutorial inicial, melhorando, desta forma, o aprendizado de utilização das armas adquiridas no decorrer do jogo.

Mega Man enfrentando o primeiro, e mal-encarado, mini-boss

Mega Man 11 possui a regra de aprendizado clássica da Capcom onde: já que você conseguiu aprender como os inimigos funcionam, então vou jogar todos ao mesmo tempo contra você. A curva de aprendizagem da fase aumenta exponencialmente até a parte em que você odeia tudo e deseja uma “morte dolorosa” para os desenvolvedores! Mas depois de umas quatro horas tentando e insistindo, quando você consegue vencer a fase, você sente aquele prazer de trabalho concluído, missão cumprida!

Block Man, o chefe da fase, antes da transformação

DESIGN E JOGABILIDADE CLÁSSICOS

O game apresenta uma jogabilidade conhecida como 2.5D em que a movimentação dos personagens é feita em duas dimensões, mas o design do jogo é constituído de polígonos em três dimensões. O cenário da fase é bem colorido e detalhado, aparentando um cenário cartoon.

Para simular personagens de desenho animado, tanto o Mega Man quanto os inimigos são renderizados em “toon shader” com traços escuros nas bordas. Também é possível notar o reflexo dos tiros nas paredes do cenário, lembrando os bons tempos de Quake. As animações dos personagens lembram os jogos antigos das eras em que bits faziam a diferença.

Mega Man acertando o chefão Block Man com o P.Driver

Algumas características antigas, conhecidas de longa data, continuam, como a munição dos tiros secundários que não é carregada quando o personagem morre. É necessário recarregar as barras de munição dos tiros pegando os itens na cor correspondente. Outra característica marcante dos jogos da era 8 bits é o “respawn” dos inimigos ser ativado quando a câmera chega em um lugar demarcado.

Se você matar um inimigo em uma certa posição do cenário, quando você voltar naquele lugar o mesmo estará lá te esperando. E por último, os tiros, e alguns inimigos, continuam atravessando as paredes. Você pode destruir inimigos distantes, mesmo se eles estiverem protegidos por alguma parede estática do cenário.

Utilizando a arma S.Thunder

Mega Man 11 atualiza a já consagrada série com mais de trinta anos de idade, não perdendo aquele charme dos anos 80 e 90. Esperamos que a versão final apresente a qualidade que a consolidou por todos esses anos.

Se você curtiu a demo liberada pela Capcom e quer saber mais sobre o valente robô azul dos videogames, vale muito a pena dar uma conferida na Revista WarpZone nº 3, ela é digital, e gratuita e no livro WarpZone Biografias nº 6 Mega Man.

PUBLICIDADE