Nostalgia virou sinônimo de lucro. Infelizmente…ou não?!!! Calma, eu explico: Há alguns finais de semana que me deparo com um dilema…o que jogar? Será que encontro algo do meu gosto que me divirta como os jogos de outrora?

Gosto de JRPGs, então fui procurar algo nessa área que fosse do meu agrado. Em meio a pandemia queria algo para me animar e esquecer os problemas que isso vem causando a todos, inclusive a mim e minha família.

PROPAGANDA

Então fui garimpar nas lojas do PS4 e XBOX One. Me deparei com uma numerosa quantia de jogos genéricos baseados nos RPGs de Super Famicom e SNES. Todos naquele estilo Final Fantasy 3 ou Secret of Mana, exaustivamente copiados.

Achei alguns até interessantes, mas queria algo novo, que me prendesse na história e na dinâmica do jogo.

Encontrei então os tais jogos atuais, mas quase todos pareciam mal-acabados e com vários segmentos dentro da mesma franquia, nas quais os criadores modificam pouca coisa e lançam como se fossem novos jogos.

Ainda não era o que eu queria. Segui na busca… Parece até que não se faz mais jogos como antigamente. Será…? Foi aí então que percebi que Final Fantasy 7 Remake estava gratuitamente na PS Plus de março.

Final Fantasy VII Remake

Meus olhos se encheram d’água. Havia encontrado algo que me animava e estava disponível para mim de graça. Um jogo totalmente refeito e com um dos melhores enredos da história dos games. Nesse mesmo instante me lembrei que no dia do anúncio dessa obra-prima também anunciado outra maravilha: Shemmue III.

Corri para pesquisar e encontrei o jogo na promoção. E logo abaixo reparei algo que não sabia: havia sido lançado as versões remaster dos dois Shemmues do Dreamcast. Não pensei duas vezes…comprei os dois. Era meu dia de sorte. Será que encontraria mais dessas pérolas?

Em meio a tantas ótimas versões Remasterizadas e HD Edition da vida, pensei…Será que eu posso ser mais audacioso e ver se encontro algo específico ao meu gosto? Algo que está meio esquecido e que não se fala mais em sequência da fraquia? Seria sonhar demais?
Procurei algo sobre The Legend of Dragoon…só rumores. O mesmo em relação a Vagrant Stories.

Vagrant…me lembra os tempos do PS1. E a imensidão de RPGs de qualidade que lá apareceram. Foi de lá que surgiu o Final Fantasy 7, base do Remake citado lá no começo. Isso sem contar o Final Fantasy 8 e 9. Incríveis.

Final Fantasy IX

Muitas alegrias tivemos com a combinação de PS1 e Squaresoft/Enix não é?

Então, pesquisando sobre o que a Square está preparando para nós para o futuro encontrei o que estava procurando: SaGa Frontier Remaster e Legend of Mana Remaster.

É, meus amigos…aí aquela lágrima que estava presa alguns parágrafos atrás finalmente caiu.

Esses são jogos que eu desejava muito jogar novamente. Mereciam uma versão melhorada. São incríveis, e de um nível muito alto se comparado aos RPGs de hoje em dia.

E em meio a tanta nostalgia boa, ainda encontrei a cereja do bolo, de nome Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes. Esse será o sucessor espiritual de Suikoden, e terá um elenco de peso na produção dele. E isso inclui o criador da franquia. Um projeto feito pelo KickStater, ou seja, não está preso a nenhuma empresa ou investidores.

Olha que nem citei a boa nova sobre Octopath Traveler, exclusivo JRPG de Switch que sairá agora para PC, pela Steam; nem o Diablo II: Ressurrected, saindo para PC e consoles. Isso foi demais para mim. Estava satisfeito. Pelo menos por enquanto.

Octopath Traveler

O que quero dizer nessas simples palavras é que tudo passa na vida, o que fica são nossos feitos e o nosso legado. O que criamos.

Quando você executa um bom trabalho a ponto de isso servir de exemplo, o tempo não apaga. Talvez você não seja lembrado, mas sua obra será. Jogos como esses citados acima são os feitos de alguém que se dedicou muito para criá-los, como Leonardo com sua Monalisa ou Michelangelo com sua Capela Sistina.

Jogos como esses citados acima me causam sensações boas e lembranças. Nostalgia. Algo familiar e confortável. Como um bom game em um dia de chuva.

Jogos como esses citados acima são eternos. Porque foram bem feitos. E isso é bom…sou louco por tudo isso.

Olhem os fatos: fui buscar algo novo para jogar e, em meio disso tudo, acabei me deparando com os mesmos jogos de outrora readaptados para que eu possa me divertir novamente com eles e possa comprá-los novamente.

Com isso, todo mundo sai feliz. Sempre teremos Final Fantasys, Dragon Quests e Legend of Zeldas de qualidade para jogar, pois são franquias que tem uma história. Só isso já vende muito. E mesmo que não tenhamos nada de novo, é só adaptar os clássicos para os dias atuais que vendem do mesmo jeito. E isso não se resume só a RPGs não…a Nintendo que o diga. Olha o Mario e suas versões infinitas.

Em meio a uma geração com poucos jogos promissores e poucas franquias AAA surgindo, esses jogos citados acima vendem. E vendem muito.

Nostalgia é sinônimo de lucro sim. E muito.