O jogo The Legend of Zelda: A Link to the Past, do Super Nintendo, é uma obra prima que inspirou alguns outros jogos lançados posteriormente, contudo nenhum título foi capaz de homenagear tão profundamente quanto o lindo Adventure Time: The Secret of Nameless Kingdom.

Lançado no Japão, em 1991, com o nome de Zelda no Densetsu: Kamigami no Triforce, o terceiro jogo da consagrada franquia concentra-se na saga de Link para salvar a terra de Hyrule do malvado Ganon.

Adventure Time: The Secret of Nameless Kingdom

O game baseado no aclamado desenho da Cartoon Network, lançado em 2014, para Microssoft Windows, Xbox 360, Playstation 3 e Nintendo 3DS, se passa no Reino Inominável, onde Jake e Finn (O Humano) têm a missão de salvar três princesas desaparecidas. A similaridade entre os dois jogos vão além da câmera de cima e gráficos em 2D.

UM ELO COM O PASSADO

Os gráficos e jogabilidade simples de Adventure Time: The Secret of Nameless Kingdom, nos transporta para a década de 90, bem como sua trilha sonora, que embora não seja versões atualizadas do game homenageado, lembram muito as trilhas da era dos 16-bit.

O jogo está lotado de referências, e logo no início é possível lembrar de A Link to the Past, quando Finn, desperta numa noite chuvosa. Ainda nos momentos iniciais do game, você se depara com um castelo igualzinho ao de Hyrule o qual para acessar seu interior é preciso encontrar uma certa entrada secreta escondida nos arredores.

O menu de seleção de itens e do mapa também é completamente inspirado no clássico jogo da Nintendo, além de tesouros e power ups escondidos em potes de cerâmica, arbustos e pedras.

Mapa do Reino Inominável

UM NOVO DESAFIO

Os veteranos da franquia podem até pensar que vão encontrar moleza ao embarcar nas aventuras de Finn e Jake, mas não é bem assim. O jogo tem um nível de dificuldade elevado e com dungeons enormes.

Embora os mapas das masmorras e cavernas sejam bem parecidos, não pense que vai encontrar as saídas de olhos fechados. Os puzzles também são inéditos, ainda que contenham uma ou outra referência. Cuidado com as pegadinhas.

No trailer abaixo é possível ter uma ideia de quão desafiante pode ser essa linda homenagem.

PERSONAGENS, INIMIGOS E CHEFES

O personagem jogável é o humano, Finn, que conta com o suporte de Jake, que se transforma em escudo e dá uma mãozinha para alcançar alguns itens e ativar alavancas. É possível encontrar uma boa parte dos personagens bizarros (e muito engraçados) da série da Cartoon Network no game, alguns como NPCs, outros como inimigos.

Quem é fã de carteirinha vai ao delírio com as piadas e participações de algumas figuras. Os chefes são todos inspirados no jogo do SNES, alguns até no padrão de ataque e movimentação.

Não poderia faltar a Princesa Jujuba

VALE A PENA?

Embora não tenha nenhum compromisso com a lore de Legend of Zelda, Secret of the Nameless Kingdom é uma ótima oportunidade de matar a saudade de A Link to the Past de uma maneira diferente, enfrentando novos inimigos, puzzles e masmorras com um nível de dificuldade elevado.

Se você ainda não conhece a divertida série da Cartoon Network, é sua chance de conhecer Finn, Jake e boa parte dos seres da Terra do Oo. E se for o contrário, e você por algum motivo que eu não faço a menor ideia, não conhece o famigerado Zelda do SNES, é um jeito legal de se familiarizar com o a jogabilidade antes de visitar esse clássico absoluto.

Arte da versão japonesa