Durante a Brasil Game Show 2022 estivemos no stand da QUByte pudermos conversar com Bruno Carvalho e Marcel Bernardi sobre os games disponíveis para testes ao público. Títulos como as coletâneas Top Racer e Breakers, projetos brasileiros como Raccoo Venture e Josh Journey e ainda o projeto desenvolvido pela própria QUByte Project Colonies: MARS 2120

Stand da QUByte

[WZ] A grande surpresa esse ano da QUByte Interactive foi anunciar Top Racer Collection, como foi trabalhar com uma coleção tão marcante e nostálgica para nós brasileiros?

[Bruno e Marcel] A ideia Surgiu da linha de produtos que a empresa tem chamada de QUByte Classics, onde fechamos parcerias com os detentores de propriedades intelectuais e fazemos o licenciamento. Um exemplo disso é o Vasara que é da Visco Corporation e trouxemos o Vasara Collection e atualmente estamos fazendo isso com Breakers. Fechamos uma parceria com a Piko Interactive o e entre os games que eles tinham no portifólio, existia todos os jogos da série Top Racer.

PROPAGANDA

[WZ] Como o VASARA Collection, o pacote não traz só os jogos clássicos, teremos um crossover de Top Racer com Horizon Chase Turbo?

[Bruno e Marcel] Sim, embora lá fora o Top Racer não tivesse tanta exposição, no Brasil ele é amado. Decidimos trazer o Top Racer 1, 2 e 3000 mas com aquele toque QUByte, então nessa coletânea estamos trazendo o crossover com Horizon Chase Turbo, trazer os carros do Horizon para o mundo do Top Racer. Temos falado que isso será uma “retro homenagem”. Horizon Chase Turbo é uma homenagem ao Top Racer, agora o Top Racer Crossroads é uma “retro homenagem” ao Horizon Chase Turbo.

Pertinho do clássico

[WZ] O que podemos esperar do modo Crossroads ?

[Bruno e Marcel] Teremos um modo online usando Rollback Netcode, que inclusive será o mesmo usado no Breakers. Tendo tanto multiplaye local e online e tem outras coisas que ainda não podemos falar, mas anunciaremos no futuro.

[WZ] Curiosidade: Como foi trabalhar com o nome Top Racer com o publico?

[Bruno e Marcel] Foi um desafio, Top Racer era o nome original do jogo no Japão e em regiões da Europa, quando ele chegou nas americanas foi trabalhado com o nome Top Gear, que é como o conhecemos. Porém a marca Top Gear hoje é usada por um programa de automobilismo europeu, devido a isso, tivemos que trabalhar apenas com o nome original. É importante de destacar que tem gente que acha que Top Racer é uma cópia de Top Gear. Quando na verdade não: Top Racer É o Top Gear!

Nostalgia!

 [WZ] A  QUByte vem com um novo Beat’ em UP Josh Journey: Darkness Totems, que podem nos falar sobre o jogo ?

[Bruno e Marcel] Ele é um Beat’ em Up que terá multiplayer para até 4 jogares. O estúdio original Provincia Studio é composto de 2 artistas Guilherme Araujo e Iuri Araujo, o trabalho de arte é totalmente desenhado a mão, ele chama muita atenção no visual. O jogo remete muito as animações com Apenas um Show e Hora de Aventura. 

[WZ] O gameplay me lembra um estilo Dragon’s Crown e Dungeons & Dragons: Shadow over Mystar. Como é trabalhar desenvolvendo um gênero tão querido pelos brasileiros ?

[Bruno e Marcel] Agradeço as excelentes referências. É muito gratificante poder trabalhar com Beat’ em Up, com o nosso histórico com o 99Vidas. Josh Journey tem um pouco de Shadow over Mystara no combate, mas também tem muito de Castle Crashers.

Josh Journey

[WZ] Vocês estão sendo a publisher nesses caso?

[Bruno e Marcel] Sim, a QUByte tem 2 braços, desenvolvimento e o mais conhecido é o de publicação onde fechamos parcerias com os desenvolvedores brasileiros e fazemos a portabilidade técnica dos jogos e a publicação nas plataformas, como caso do Jorney. 

[WZ] Raccoo Venture é uma plataforma 3D, um gênero querido. O título me remete títulos da época de N64, foram inspirações?

[Bruno e Marcel] Ele é também uma publicação, o jogo está sendo feito só por uma pessoa, desenvolvedor Diego Ras que é talentosíssimo. Ele lembra games como Banjo-Kazooie e Mario 64, um jogo que vai falar muito com a galera dessa época. Não só dessa geração, mas as novas também, durante o evento vimos que as crianças tem gostado muito do game e do seu visual. Reforçando o trabalho do Diego, o artista 3d e o animador, que está colocando a vida dele nesse game e está ficando espetacular.

Stand da QUByte

[WZ] Durante os testes descobri umas salas secretas, teremos segredos para serem encontrados no mapa?

[Bruno e Marcel] Teremos muitas salas secreta, roupas extras (skins). Obviamente a solução do jogo vai ser sempre via puzzles ou em salas secretas. Fora as descobertas de como desafiar e derrotar os chefes.

Raccoo Venture

 [WZ] Breakers Collection também é um pacote com clássicos, trabalhar com jogos de luta é mais desafiador para equipe?

[Bruno e Marcel] Ele era um clássico cult, poucos conheciam. O grande desafio do jogo e como trabalhar o balanceamento dele no online, nosso fantástico programador, o Marcio, tem trabalhado nisso para fazer esse ajuste para atender a galera. Nesse caso a parceria é com a Visco, ele é um dos casos de licenciamento internacional.

[WZ] No modo Team Battle teremos um estilo Marvel vs Capcom com a galera do Breakers?

[Bruno e Marcel] Na nossa versão de Collection estamos trazendo o modo de time, mas será ao estilo The King of Fighters com possibilidade de lutas 2×2, 3×3 e não com troca em tempo real como em Marvel vs Capcom.

Coleção do Breakers

[WZ] Quais as próximas novidades da QUByte, 99Vidas Part 2?

[Bruno e Marcel] 99vidas 2 por enquanto não, mas trouxemos o Project Colonies: MARS 2120 que é um projeto 100% da QUByte. Mesmo trabalhando com publiser, nossa raiz é em desenvolvimento de games. O Mars é um “metroidvania” que está sendo desenvolvido desde 2019 que tem previsão de lançamento para 1° semestre de 2023.

Metroidvania futurista

[WZ] Imagino que em um Metroidvania a grande dificuldade seja o mapa?

[Bruno e Marcel] Com certeza, quando tratamos desse gênero é um estilo de game que o jogador é quem dita o ritmo do jogo, mas em ordens diferentes, não sendo uma experiencia linear. O MARS 2120 é um jogo que tem um mundo muito rico para exploração que pode levar de 6 a 8 horas de jogo, dependendo do jogador. Foi um desafio muito grande, mas fomos muitos felizes com a equipe que nós montamos. Esperamos que os jogares abraçam essa ideia e vejam o resultado desse trabalho

Na esquerda Marcel Bernard, a direita Bruno Carvalho