O que apreciadores de café e gamers tem em comum? A paixão pelos ingredientes, cada um à sua maneira. Gamers são movidos por boas histórias e, para quem é fã de café, a escolha do grão certo é essencial para o sucesso da experiência aromática.

Ainda sobre café+jogo, já conhece o game Dave-Man? Tem uma review recente feita no Canal no YouTube da WarpZone, olha lá, depois desta leitura.

Além disso, as razões científicas para você consumir essa bebida e jogar video game se misturam, tais como estímulo no aumento da concentração, atenção, memória e até perda de calorias (o WiiU que o diga, com seus jogos de exercícios e dança que ajudam a emagrecer em casa – aproveite na quarentena!).

E o que aconteceria se tivéssemos a união de uma boa história à base da segunda bebida mais consumida no mundo? A desenvolvedora e publisher Toge Productions traz a resposta com o game Coffee Talk.

Lançado em janeiro de 2020, ele aborda um assunto super atual, que tem cada vez mais tomado a atenção mundial, por meio de protestos antiracistas: todas as vidas importam.

Cafeteria que dá boas-vindas à diversidade

GARÇOM, AQUI, NESSA MESA DE BAR…

O jogo se passa em uma cafeteria gourmet em Seattle, nos EUA, onde há uma convivência pacífica entre humanos, orcs, elfos, sereias, enfim… Bem, quase pacífica, pois é abordado de forma criativamente sutil os conflitos existentes entre esses seres.  E é exatamente aí que fica mais interessante, pois você participa intimamente dessas conversas.

Assim, o propósito é aprender a ouvir os problemas das pessoas e ajudá-las servindo uma bebida quente com os ingredientes que você possui. É um jogo que tenta representar nossas vidas o mais humanamente possível, tendo um elenco que abraça a diversidade.

Dois amantes conversam sobre as desavenças raciais de suas famílias

VOCÊ É O CRIADOR

O game segue o melhor estilo de storytelling/Telltale Games, no qual a sua opinião é determinante na história. Inspirado em animes dos anos 90, o visual é composto por uma pixel art aconchegante, com elementos que te fazem sentir imerso na Seattle alternativa.

A gameplay se reveza entre decidir para que rumo a história vai, escolher a música ambiente (aliás, a trilha sonora está disponível no Spotify) e, claro, preparar bebidas aos seus clientes para deixá-los plenamente satisfeitos, independente do nível de exigência, seja no quesito amargura, doçura ou mesmo no latte art (aqueles cobiçados desenhos sobre a bebida).

Aprender a fazer arte na bebida é uma das tarefas de ser barista

Gostou da proposta? Então aproveite que esse romance está disponível para Microsoft Windows, macOS, Nintendo Switch, PlayStation 4 e Xbox On, na Steam.

 

Redatora por vocação, jornalista por paixão, ser humano em progresso.

Vejo e compartilho a beleza que existe no Universo de games retrô e indie.

Todos os nossos sonhos podem se tornar realidade, basta termos a coragem de persegui-los.