Em meados dos anos 90, o gênero JRPG (RPG Japonês) se popularizou com a chegada dos consoles PlayStation e Sega Saturn.

É claro que já havia muitas franquias de sucesso no mercado como, Final Fantasy, Dragon Quest, Chrono Trigger, Breath of Fire, entre outros, mas foram nesses consoles que o gênero voltado para batalha por turnos teve a sua era dourada.

UMA HOMENAGEM AOS COMBATES POR TURNOS

Na geração seguinte, ainda contávamos com alguns games com foco nesse estilo de combate, como as continuações FFX, FFXII e as novas franquias como Blue Dragon e Last Remnant, mas com a chegada da sétima geração, começamos a perceber que as batalhas estavam sofrendo uma mudança radical, deixando de serem em turnos para darem lugar a algo mais rápido e dinâmico chamada de “batalha em tempo real”.

As batalhas por turnos de Star Renegades ganharam força nos anos 90

Muitos torceram o nariz para essa nova estratégia e nem se deram o trabalho de continuar seguindo sua série tão querida, justamente por essa mudança. Alguns deram uma chance e acabaram se acostumando. Outros, geralmente os mais novos, nem sentiram essa mudança e acabam preferindo esse estilo mais frenético e menos complexo de batalha.

Porém, para a alegria dos adoradores de um bom combate estratégico por turnos, onde o jogador precisa raciocinar um pouco antes de sair apertando botões a torto e a direito, eis que surge Star Renegades.

Se curtiu Star Renegades, dê uma olhada em Halcyon 6, também da Massive Damage

É claro que o novo game da Massive Damage, empresa que criou o excelente Halcyon 6, que também conta com batalhas por turno, não é o único a trazer esse estilo de combate aos jogos contemporâneos, entretanto o faz com excelência e primazia.

MAS ANTES, UM POUCO DE HISTÓRIA

Wynn e sua irmã Dov estão fugindo de um esquadrão estrelar, cada uma em sua nave. Os caçadores, que foram enviados por um tirano líder de um império que quer conquistar todos os planetas dessa galáxia, são ágeis e, segundo a própria protagonistas, são melhores e mais fortes que elas. Wynn acaba sendo atingida e é lançada para um dos planetas próximos.

Sua irmã ainda resiste mais um tempo, mas acaba tendo sua nave abatida e cai na mesma região que Wynn.  Após enfrentarem alguns inimigos que servem como tutorial para o fantástico modo de batalha, Dov é ferida mortalmente, deixando sua irmã sozinha e com sede de vingança.

Quer saber quem é essa cientista misteriosa? Continue lendo essa análise

Perto dali, um robô chamado J5T-1N, enviado pela doutora Zurek de uma outra dimensão, encontra a própria doutora Zurek e lhe entrega uma mensagem. Ela conta que o planeta já foi conquistado pelo império tirano, e cabe a ela tentar impedir que isso aconteça na realidade dela.

Mas antes de encerrar, Zurek diz que se algo der errado, a doutora da nossa realidade pode enviar o ajudante J5T-1N para uma nova dimensão e tentar novamente. E é aí que entra a grande sacada do game e o torna um roguelike que abusa do sistema de batalha estratégica por turnos.

BATALHA COMPLEXA E INOVADORA EM UM ROGUELIKE

Com a premissa de que se pode sempre enviar uma nova mensagem a cada derrota, o gênero roguelike, que consiste exatamente na tentativa, morte e nova tentativa, adquirindo novos recursos a cada rodada para facilitar a vida do jogador na próxima tentativa, Star Renegade se destaca pelas batalhas, que permitem avançar nos mapas e descobrir esses recursos.

Sem dúvidas, o grande destaque do game é o seu sistema de batalha, tudo gira em torno de contribuir para que o jogador se familiarize com esse sistema e desfrute ainda mais da jogabilidade e da história que está sendo contada.

Os personagens ganham mais detalhes ao entrarem em uma batalha em relação a como são nos mapas

Ao encontrar um inimigo, a tela muda para uma visão lateral e, assim como nos RPGs de SNES, os personagens (tanto amigos, quanto inimigos) ganham detalhes que não podem ser vistos neles enquanto andam pelo mapa.

Uma barra de tempo determina quem vai atacar e como vai atacar, ou seja, você consegue prever o que o inimigo vai fazer, porém não vá achando que isso torna as coisas mais simples, pois o inimigo também pode ver seus movimentos.

A CEREJA DO BOLO

E é sabendo de tudo isso, após passar por um tutorial muito bem detalhado e explicativo, que o jogador começa a sentir o prazer de encontrar um inimigo no mapa e correr para cima dele para poder experimentar as novas técnicas que acabara de aprender.

Sabendo qual será o próximo passo do oponente, você terá algumas ações para escolher. Você pode atacar normalmente, o que leva um tempo considerável e ocasionar um golpe do inimigo; você pode se defender, o que reduz em média 50% do dano que vai sofrer; ou o mais legal de todos: você pode observar o movimento do oponente e atacar antes dele.

É fundamental prestar atenção à barra de tempo na parte superior da tela de batalha para se dar bem

Isso pode causar tanto um ataque crítico, quanto deixá-lo atordoado, fazendo com que ele perca sua rodada e termine sem te atacar, o que é excelente. Ou seja, assim que entender o sistema de combate – que não é simples, mas está longe de ser impossível de se dominar -, você estará passando por batalhas sem dar a chance do inimigo te atacar.

Para completar essa experiência satisfatória ao se familiarizar com o sistema de batalha, o game conta com uma área voltada para recuperar energia, evoluir armas e golpes, e, um dos pontos mais importantes, melhorar o relacionamento entre os personagens. Isso é feito através de cartas coletadas durante a exploração e pode destravar devastadores golpes combinados, dependendo da afinidade entre eles.

EMPENHO RECOMPENSADO

Tanto para os órfãos de uma satisfatória batalha por turnos de antigamente, quanto para quem está iniciando nesse sistema, Star Renegade é uma excelente pedida para quem está afim de passar horas e horas garimpando tudo que o game tem a oferecer e desfrutar de cada melhoria e privilégio adquirido no processo.

O game está disponível para PC, e a produtora prometeu versões para PS4, Xbox One e Switch ainda em 2020.