Quando eu joguei Red Dead Redemption pela primeira vez, em 2012, eu sabia que seria um game incrível, mas não tanto. Eu confesso que, inicialmente, eu joguei por gostar muito da Rockstar, desenvolvedora do game.

Eu nunca me interessei por filmes ou qualquer coisa que abordasse o universo do faroeste. Talvez o que me despertou o interesse pelo jogo era seu tão falado mundo aberto.
E não deu outra, em algumas pequenas horas eu estava lá, apaixonada por Red Dead Redemption.

Desenvolvido e publicado pela Rockstar San Diego e Rockstar, respectivamente, Red Dead Redemption é o segundo game da série Red Dead (o pioneiro foi o Red Dead Revolver), que foi lançado em maio de 2010. A franquia provou que a empresa é capaz de criar incríveis mundos abertos em qualquer universo.

John Marston

A história acontece em meados de 1911, quando o Velho Oeste já estava em decadência. O protagonista é John Marston, um ex fora da lei na saga de resgatar sua família que estão sendo mantidos como reféns.

Com visão em terceira pessoa, o game conta com um vasto mundo aberto e diversas missões principais e secundárias (sério, na época eu fiquei impressionada com o mapa e a quantidade de missões que tem no jogo). O game foi muito aclamado pela crítica, ganhando diversos prêmios (incluindo Game of the Year).

Red Dead Redemption contou com um modo multiplayer e a DLC “Undead Nightmare”, na qual John Marston vive uma aventura com zumbis no Velho Oeste.

Red Dead Redemption 2

Em 26 de Outubro de 2018, oito anos depois de Red Dead Redemption, o mundo dos games parava para jogar Red Dead Redemption 2, uma prequela do primeiro game. Desta vez, você joga com Arthur Morgan, um membro da mesma gangue que John Marston. O game também conta com um modo multiplayer.

A franquia Red Dead Redemption, sem dúvida, me proporcionou dezenas de horas de diversão e emoção (sim, eu já me acabei de chorar com um game da Rockstar). Espero que venham mais jogos da franquia que, com certeza, eu vou estar lá jogando.

PUBLICIDADE